Eleições 2018 – Segundo Turno

Deixe um comentário

Interessante observar o comportamento dos brasileiros nas diversas cidades.

Abaixo uma amostra de cidades onde Fernando Haddad venceu (à esquerda) e onde Jair Bolsonaro venceu (à direita).

Acima e em maior destaque o resultado geral no exterior.

Anúncios

Eleições 2018 – Resultados do Primeiro Turno

Deixe um comentário

O índice de absentação desse ano foi menor que o de 2014. O número total de votantes também foi bastante superior.

Aguardemos o segundo turno.

Execuções na Indonésia

Deixe um comentário

Em janeiro muito comentou-se sobre a execução do carioca Marco Archer e principalmente sobre a postura do governo brasileiro em relação ao ocorrido. Fato é que nessa última noite mais um brasileiro, Rodrigo Gularte, foi executado pelo mesmo motivo (tráfico de drogas) e dessa vez, junto a ele, dois traficantes australianos. Focarei na diferença de atuação dos dois países em relação ao ocorrido. O texto é longo e, assim, dividirei-o em seções.

Contexto: Os “9 de Bali”

Em 2004 um grupo de 9 traficantes australianos foi preso na Indonésia. 6 dos 9 membros estão cumprindo prisão perpétua; 1 dos membros está cumprindo uma pena de 20 anos e os 2 líderes foram condenados à pena capital. Importante ressaltar que a polícia indonésia realizou as prisões devido à informações providas pela própria polícia federal australiana (AFP), o que causou enormes problemas por aqui na época. AFP tinha todas as informações sobre o grupo e poderia ter efetuado a prisão em flagrante quando do embarque do grupo à Indonésia. Optou por não fazer, por motivos que nunca foram clarificados, e deixou a polícia indonésia efetuar as prisões em Bali.

Desde a confirmação que ambos os traficantes seriam eventualmente executados o assunto dominou as manchetes e discussões na TV por aqui. E a posição do governo australiano foi clara, pedindo clemência aos dois condenados. Tal posição é compartilhada tanto por situação como oposição; suas entrevistas e declarações na câmara deixam isso claro. Líderes religiosos islâmicos (religião predominante na Indonésia) também lutavam pela clemência.

Diferentemente do Brasil, a Indonésia tem um relacionamento muito próximo com a Austrália. Não só existe um número grande de estudantes indonésios aqui, mas a Austrália oferece uma ajuda humanitária de mais de 640 milhões de dólares anualmente à Indonésia; cerca de 1 milhão de turistas australianos também visitam a Indonésia todos os anos (movimentando a economia local em mais de 1 bilhão de dólares, também anualmente). Quando do ocorrido do tsunami na costa de Sumatra em 2004, a Austrália aumentou a ajuda humanitária em 1 bilhão de dólares.

Existe também um centro de refugiados da ONU na Indonésia, de onde candidatos ao visto humanitário são processados. A Austrália é um dos possíveis destinos de tais candidatos.

Em outubro do ano passado, o presidente Joko Widodo foi eleito na Indonésia, tendo como uma das principais promessas de campanha a ‘tolerância zero’ com traficantes de droga. Por muitos anos os condenados à morte não foram executados no país. É o caso dos dois australianos e também dos dois brasileiros, presos (e condenados) todos há mais de uma década atrás.

Argumentos e Atitudes

Ambos os governos (brasileiro e australiano) posicionaram-se oficialmente da mesma maneira, pedindo clemência para seus cidadãos. Nenhum dos dois países conseguiu o resultado esperado, mas a diferença de postura e argumentação tem que ser ressaltada.

Os argumentos brasileiros vieram, principalmente, após a execução de ambos os brasileiros, em forma de nota oficial. Dois foram os principais argumentos e ambos não se suportam em minha opinião:

  • O primeiro foi o fato de a pena de morte não existir no Brasil, o que é absolutamente irrelevante na discussão. Além disso é uma informação tecnicamente incorreta, já que o artigo 84 da constituição prevê pena de morte pelo código militar penal em tempos de guerra. Claro que é um caso de exceção extrema, mas tecnicamente existe.
  • O segundo ponto também é ainda mais falso, já que foi argumentado que o povo brasileiro é contra a pena de morte. Além de ser um argumento igualmente irrelevante, não é o que mostram as pesquisas do Datafolha feitas desde 1991. Veja abaixo:

Poll_Death_penalty_Brazil

Atitudes desastradas se seguiram com a questão da credencial não entregue ao embaixador e ameça indonésia de cancelamento de compra de aviões da Embraer.

Do lado australiano os argumentos foram focados na reabilitação dos condenados. Ambos atuam na comunidade indonésia, ensinando inglês e artes; um deles também virou uma espécie de pastor e pregava para os outros condenados. Vale lembrar que a clemência não é o cancelamento da pena; eles não ficariam em liberdade em caso de perdão presidencial; apenas não seriam executados.

O segundo argumento foi a questão da cooperação entre os países, inclusive na questão da prevenção do tráfico de drogas. Estreitar essas relações é mais importante que executar os condenados.

Em um último momento o governo Australiano ofereceu pagar todos os custos futuros relacionados ao encarceramento de ambos, mas nada disso impediu os fatos bizarros que se sucederam.

A pressão, tanto da imprensa australiana como do governo, em cima dessa questão foi muito grande e ambos os lados se irritaram. O presidente indonésio nem chegou a ler e considerar a questão da clemência (no dia marcado pra isso em corte) e negou o pedido imediatamente. O primeiro-ministro australiano ‘jogou na cara’ o auxilio humanitário quando do tsunami e ameaçou diminuir a ajuda anual.

A questão foi tomando proporções maiores e o governo indonésio protagonizou um verdadeiro ‘show’ ao transferir os dois prisioneiros para a ilha onde foram executados. Um contingente gigantesco de policiais e aparato foi usado para levar os dois ao aeroporto, com transmissão ao vivo e entrevistas sendo dadas em inglês, deixando muito claro à quem estavam se dirigindo. Chegando lá o show político ficou ainda maior, com o avião sendo escoltado por quatro caças até seu destino.

Na noite de ontem a execução ocorreu sem que as autoridades australianas fossem formalmente notificadas. Hoje às 7 horas e 30 minutos da manhã, tanto o primeiro-ministro como a ministra das relações exteriores fizeram pronunciamentos indicando que o embaixador australiano seria trazido de volta ao país para consultas.

Críticas à ambos

Tanto os casos dos traficantes brasileiros como os australianos ocorreram há mais de uma década. Nesse período muito pouco fizeram ambos os países para que seus cidadãos não fossem executados; somente quando as execuções tornaram-se eminentes é que resolveram agir com mais veemência. Vale lembrar que na última houve o caso de um francês, também condenado à morte, teve seu pedido de clemência aceito.

Chavões e Lugares Comuns

É sempre chato ouvir análises de uma situação complexa como essa com frases feitas, chavōes repetidos sem muito pensar. Vamos à alguns:

  • Indonésia é que leva o combate ao tráfico a sério
    • Esse argumento não se sustenta; quem viaja à Bali sabe da facilidade de se conseguir qualquer tipo de entorpecentes por lá. Fato é que, assim como em outros países, existe uma cumplicidade entre a força policial e os traficantes. A desproporcionalidade entre o número de condenados estrangeiros e locais evidenciam isso um pouco também; condenar traficantes estrangeiros parece ser  uma maneira de diminuir a competição. Além disso as execuções de traficantes vêm sendo usadas majoritariamente para o aumento da popularidade, como diz este texto da The Economist (em inglês)
  • É a lei do país e tem que ser respeitada
    • Claro que a soberania e as leis de um país com um líder democraticamente eleito não devem ser desrespeitadas e ninguém pedia isso: a clemência presidencial, pelo que entendo, é um artifício legal do sistema indonésio. Além disso, creio em duas coisas:
      • Que faz parte das atribuições dos embaixadores (brasileiro e australiano) de garantir que seus cidadãos tenham um julgamento justo no país em que estejam. Algo que se questionou aqui foi que nem todas as instâncias legais foram esgotadas antes da execução, onde caberia o pedido presidencial para pelo menos postergá-las. O caso brasileiro eu não acompanhei tão de perto, mas parece que ainda caberia algum recurso com relação ao estado de saúde mental dele. Cabe ressaltar que uma das condenadas que seria executada essa semana teve sua ordem de execução suspensa diretamente pelo presidente, já que novas provas apareceram (na verdade um novo suspeito).
      • Que um país deve clamar pelos seus cidadãos e não permitir que suas vidas sejam usadas como propaganda política.
  • Vidas inocentes foram salvas com esses traficantes agora mortos
    • Primeiro ponto importante é que, segundo este estudo, punições mais severas não aumentam nem diminuem o consumo de droga em um país.
    • Segundo ponto, independente de sua posição em relação à pena de morte, é se a pena capital é uma punição condizente com crime de tráfico de drogas.
    • Terceiro ponto é uma questão que se discute recentemente no Brasil por conta da maioridade penal: punição ou reabilitação?
      • Governo australiano repetiu esse ponto diversas vezes (que os australianos estavam reabilitados) e fez disso a principal defesa dos condenados. Não tenho uma opinião muito bem formada com relação à reabilitação, inclusive se ela é possível ou não. Não sei. Precisaria pesquisar muito mais a respeito pra ter uma opinião formada.
      • Na questão da punição houve um certo critério em relação ao caso como um todo; e esse ponto foi pouco explorado pela imprensa daqui. Dos 9 condenados somente os dois líderes e organizadores é quem foram condenados à morte. Os outros sete não. As penas foram diferentes com relação ao grau de participação no crime, o que faz sentido. Na imprensa daqui nem sequer se comentou sobre os outros sete; fez-se parecer que eram apenas dois traficantes agindo impulsivamente por si só, o que não foi exatamente o caso.

Doação de Sangue

5 Comentários

Não é possivel para brasileiros doar sangue na Austrália, pelo fato de virmos de um país onde existe Doença de Chagas.

Quando chegamos na Austrália quase 4 anos atrás, já tinha conseguido essa informação no site da Cruz Vermelha. De uns meses pra cá, essa informação deixou de constar no site e resolvi tentar agendar minha doação de sangue. No momento da entrevista me foi dito que não poderia doar por conta de ter nascido no Brasil.

Resolvi então pesquisar alguns motivos e pelo que pude encontrar:

  • Em alguns outros países, você pode solicitar que seu sangue seja testado pra presença de anti-corpos de Trypanosoma Cruzi. Aqui não é o caso e não consegui encontar os motivos exatos. Provavelmente custo.
  • Desde a década de 60 existe efetivamente uma globalização da doença de Chagas. Canadá, Japão e Austrália são os países mais diretamente impactados. Como o transmissor não existe em tais países, a explicação fica por conta da imigração de sul (e centro) americanos para tais localidades.

As alternativas são a doação de plasma e o cadastro como doador de medula óssea.

Para que se possa doar plasma é necessário que você tenha doado sangue pelo menos uma vez nos últimos dois anos. Como não doei sangue em tal período – e não posso doar por ser brasileiro – a alternativa foi fazer a doação de sangue si, mesmo sabendo que o sangue não seria aproveitado. Segundo a Cruz Vermelha, esse é o processo para garantir que você consiga doar sangue e não tenha nenhum tipo de reação.

A doação de plasma é muito mais demorarda; o processo todo dura quase duas horas. Essa doação inicial de sangue é uma oportunidade pros dois lados avaliarem se querem/poder passar pelo processo de doação de plasma.

O cadastro para ser doados de medula óssea é a outra alternativa. Como o processo em si, em caso de você efetivamente se tornar um doador, eles exigem que você leve todo o material pra leitura em casa, preencha os formulários calmamente e, em um outro momento, volte para efetuar o cadastro. Não sei se o processo no Brasil é igual ao daqui.

Nossa Língua Portuguesa

Deixe um comentário

Uma das coisas que sempre me causou inveja viajando pela América Latina é a facilidade com que ocorre o intercâmbio cultural entre os países de língua hispânica, justamente por conta do idioma comum. Não é raro poder assitir programas de televisão ou ouvir músicas nas rádios que sejam de outros países que compartilham a mesma língua. Esse fenômeno é visível desde a literatura até programas populares como o Chaves, que tive oportunidade de assistir em televisão aberta, sem dublagens ou legendas (pode parecer óbvio, mas voltarei à esse ponto mais pra frente) em pelo menos três países diferentes.

Facilidade de intercâmbio ainda maior se encontra entre os países de língua inglesa.

O mundo acontece em inglês – sem dúvidas.

Basta ligar a televisão aqui na Austrália (falando somente de TV aberta) e se deparar com uma quantidade enorme de seriados, documentários, telejornais, etc. dos mais diversos países de língua inglesa, tais como Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, India, Escócia, Africa do Sul, Irlanda e Nova Zelândia principalmente.

Mesmo entre os profissionais de jornalismo tal intercâmbio é facilmente encontrado. Desde apresentadores de televisão britânicos até comentaristas esportivos americanos – O americano Jim Courier é o principal comentarista durante o Australian Open de tennis.

Já com o nosso português isso não acontece, pelo menos em minha percepção. Dificilmente se tem acesso à qualquer produção portuguesa na televisão ou mesmo nas livrarias (que não sejam os já mundialmente consagrados autores). Além da literatura portuguesa que temos contato na escola, os únicos poucos contatos que lembro de ter tido com o português não-brasileiro são aparições pontuais de atores portugueses na televisão aberta.

E a única vez que assisti um documentário luso-brasileiro em TV aberta, sobre a imigração portuguesa para o Rio Grande do Sul, acredite se quiser, sempre que um português falava aparecia a legenda em “português”, como se fosse uma língua totalmente imcompreensível que o entrevistado estava falando. Achei isso um absurdo total e absoluto.

“Duas grandes nações separadas somente pelo idioma” foi uma piada que ouvi o guia turístico inglês fazendo com um casal americano em Londres uma vez. No caso de Brasil e Portugal (ou qualquer outro país de língua portuguesa) isso parece ser um fato e não uma anedota.

Aqui na Austrália um fenômeno diferente parece acontecer conosco: somos todos vistos como um único grupo de “falantes de português”, o que é uma situação bem interessante e benéfica.

A comunidade portuguesa também é grande aqui em Sydney e a concentração é maior no bairro de Petersham. Por conta disso o número de brasileiros por lá também é grande. Os pontos mais conhecidos são os açougues e mini-mercados, onde se encontram lad0-a-lado tanto Sumol quanto Guaraná Antarctica; Cerveja Sagres e Skol; bacalhau português e picanha brasileira. Médicos, dentistas e psicólogos brasileiros também são mais facilmente encontrados em Petersham e são populares entre a comunidade lusa.

Uma festa anual acontece no bairro também (Food and Wine Fair – todo mês de março), com barracas de comidas portuguesas e brasileiras. Nessa festa de rua é muito comum encontrar o pessoal vestindo as camisetas das seleções brasileiras e portuguesas de futebol.

Além disso a SBS, que é uma das redes de comunicação públicas do país, oferece conteúdo em português, tanto em sua página na internet quanto nos canais de televisão. Nesse momento a gente começa a se familiarizar mais com a cultura dos outros países de língua portuguesa.

Ontem mesmo na página principal do site era possível encontrar uma chamada para a aprovação do orçamento anual do Timor Leste; notícias sobre a tentativa de isenção de visto para os brasileiros e notícias sobre os jogadores do Porto FC e do Sporting.

Na televisão pode-se assistir à um telejornal português todo final de semana. É sempre interessante ter acesso à uma mesma notícia com uma visão totalmente diferente, como é dada pelos jornalistas portugueses.

Filmes e lançamentos de livros também são ofertados de maneira conjunta para quem fala português. É mais fácil encontrar filmes portugueses em salas de cinemas em Sydney do que no Brasil. Eventualmente algum filme brasileiro também chega a ser exibido nos festivais – e atraem o público português. Dois anos atrás na exibição de “Tropa de Elite 2”, durante o Sydney Film Festival, foi possível testemunhar isso.

Foi somente aqui também que tomei conhecimento de autores moçambicanos, como Mia Couto e José Rodrigues dos Santos; portugueses como Valter Hugo Mãe e Mario de Carvalho. Com o advento dos livros eletrônicos (eBooks) o acesso à esses livros também é muito simples. Mesmo na Amazon americana é possível encontrar publicações eletrônicas em português desses autores. Na loja online da Bertrand de Lisboa é ainda mais fácil ter acesso à outras boas publicações.

Só espero que não achem que, assim como o documentário que mencionei acima, as publicações portuguesas e moçambicanas tenham que de alguma forma ser traduzida para o ‘nosso’ português para ser compreensível. Com a última reforma ortográfica a leitura desses textos ficou ainda mais natural para nós brasileiros. Além disso, as diferenças são sempre interessantes e bem-vindas.

E foi só aqui que acabei por decorar a lista de países onde se fala a nossa língua portuguesa. Tenho certeza que muito poucas pessoas no Brasil sabe essa lista de cabeça (sem checar na Wikipedia), mas aqui a gente tem que reponder essa pergunta com uma certa frequência e acaba memorizando.

Normalmente depois do “susto” ao saber que a língua oficial do Brasil é o português e não o espanhol, a próxima pergunta geralmente é: “Mas que outros países falam português?”

E pra quem não sabe a resposta: Brasil, Portugal, Timor Leste, Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe – além disso é também idioma oficial em Macau e Guiné Equatorial, apesar de nesses últimos dois não ser efetivamente o idioma nacional. Com isso ainda se constata que Portugal é apenas o quarto país do mundo em número de “falantes de português”, já que as populações de Angola e Moçambique são maiores que a portuguesa.

Inocência

7 Comentários

Existem algumas coisas que os brasileiros acabam fazendo por aqui, na maior inocência. São pessoas que saíram do país pela primeira vez, ou que se deparam com alguma pouco usual por aqui. Difícil achar algum brasileiro que não tenha passado por pelo menos uma.

  • Errar a data de início do horário de verão
    • Aqui na Austrália o horário de verão dura 6 meses e começa sempre no primeiro domingo de outubro e termina no primeiro domingo de abril. E diferentemente do Brasil ninguém avisa em nenhum telejornal, nem nada, que o horário vai mudar.
  • Disparar o alarme de incêndio do apartamento
    • Incêndios em residências, infelizmente, são muito comuns por aqui. Então a questão do alarme de incêndio é levado muito a sério. Os alarmes são sensíveis, então tem que tomar cuidado pra não dispararem. Muitas vezes uma fritura simples na cozinha faz o alarme disparar. Em pouco tempo aparece o corpo de bombeiros na sua casa e ainda te aplica uma multa pelo falso alarme.
  • Jogar o papel higiênico no lixo
    • Como é comum na maioria dos países com tubulação e saneamento adequado, o papel higiênico usado se joga no vaso sanitário e não no lixo.
  • Não separar corretamento o lixo
    • Pelo menos em Sydney, existe o sistema de coleta seletiva de lixo. Todos então devem jogar seu lixo de maneira adequada nos latões separados por cor (amarelo, vermelho, azul e verde). E coisas como equipamento eletrônico, móveis, etc. não podem ser jogadas a não ser nas datas pré-definidas pelo council (uma espécie de sub-prefeitura). Jogar móveis na rua fora das datas pré-definidas também pode acarretar em multa.
  • Entrar do lado errado do carro
    • Quem não está acostumado com a mão inglesa, certamente vai cometer esse erro pelo menos uma vez.
  • Achar que vai conseguir tirar a carteira de habilitação de primeira
    • Não comento mais isso. Basta ler todos os posts sob a minha “saga” para conseguir a carteira de motorista
  • Ir no Shopping de noite
    • O comércio em Sydney, tanto de rua quanto nos shoppings, normalmente fecha às 5:30pm, com pouquíssimas exceções. De quinta-feira fica aberto até às 9:00pm e nada mais.
  • Sair pra jantar tarde
    • Assim como o comércio em geral, os restaurantes normalmente fecham bem cedo. Nos bairros residências o horário base é 9:00pm. Alguns restaurantes no centro da cidade ficam aberto até mais tarde, assim como algumas outras poucas exceções.
  • Achar que vai ser bem atendido
    • O customer service de quase todas as empresas, balconistas de lojas, caixas de supermercados, etc., também com poucas exceções, é repleto de pessoas absurdamente mal humoradas. Tento entender os motivos, mas sinceramente ainda não consegui entender
  • Beber cerveja na praia
    • Quase todas as praias de Sydney são alchool free zones, ou seja, o consumo de álcool é proibido tanto na praia quanto nas redondezas. Em grandes eventos públicos, como as celebrações de ano novo, o consumo também é proibido. Multa também é aplicável em quem for pego consumindo álcool em locais não permitidos.

Busca Brasileira por Imigrantes Qualificados – parte 1

3 Comentários

Quais motivos fariam um estrangeiro imigrar para o Brasil?

O baixo índice de imigrantes morando no Brasil (vide post anterior); algumas notícias recentes mencionando a busca por imigrantes qualificados, como esta do Miami Herald e a discrepância percentual entre o número de imigrantes morando no Brasil e na Austrália me fizeram tentar responder essa pergunta.

Uma das maneiras de se tentar responder essa questão seria eu citar alguns dos motivos mais comuns que fizeram os brasileiros com os quais eu convivo aqui se mudarem pra cá e, em seguida, tentar fazer um paralelo com um estrangeiro procurando as mesmas coisas em um país diferente:

  • Morar em um lugar mais seguro – Em praticamente qualquer dado estatístico a Austrália se mostra um local mais seguro que o Brasil.
  • Oportunidades de trabalho na área de atuação – Quando apliquei para o visto de imigrante, minha área de atuação era uma profissão em demanda na Austrália, o que implicava em ótimas oportunidades profissionais. Não digo somente bons salários, digo desafios profissionais: projetos interessantes e de vanguarda.
  • Juntar algum dinheiro para voltar ao Brasil (não é o meu caso) – O dólar Australiano é uma moeda forte e aqui se paga bem em certas especializações. Receber salário em dólar Australiano e mandar o dinheiro para o Brasil é uma boa alternativa.
  • Facilidade com o idioma – Inglês é um idioma com o qual muitos brasileiros são familiarizados. É um idioma com uma estrutura gramatical simples e que usa o mesmo alfabeto que o português (alfabeto romando ou latino).
  • Estudar fora – A Austrália tem 3 universidades entre as top 50 no mundo.

Se eu fosse um Australiano, nenhum dos itens acima me atrairia. Provavelmente nem mesmo a questão de oportunidades de trabalho, já que pela coluna do Miami Herald as profissões de maior demanda no Brasil (médicos, engenheiros de minas, arquitetos, etc.) são exatamente as mesmas em demanda por aqui.

Os percentuais de imposto de renda no Brasil (27,5%) e Australia (30% na minha faixa de renda) são similares. A questão financeira certamente não me atrairia, já que o salário seria em Reais.

Os imigrantes qualificados que hoje residem no Brasil também me parecem buscar justamente o que eu vim buscar aqui. Por exemplo, 94% dos médicos estrangeiros que atuam no Brasil vieram da Bolívia, Peru, Colômbia e Cuba respectivamente (vide Uol Saúde). E vieram para atuar nos grandes centros do Brasil, onde certamente se paga melhor. Creio que pessoas que têm o Espanhol como língua nativa têm uma facilidade maior de adaptação no Brasil. Além disso, o Real é uma moeda mais valorizada em relação às demais moedas latino-americanas e (apesar de tudo) certamente os grandes centros nacionais possuem uma infra-estrutura melhor que La Paz e Lima.

O aumento do percentual de imigrantes é salutar em todos os aspectos, mas os imigrantes devem vir de todas as regiões justamente pra trazer diferentes experiências e métodos de trabalhos. O número vem aumentando é verdade: em uma pesquisa de dezembro de 2012, a cada 28 novos empregos criados no Brasil, 1 era preenchido com estrangeiro. Mas, baseando-se no número de médicos do parágrafo acima, ainda é pouco e a variedade de países é muito baixa.

Como convencer profissionais cujas profissões estão em demanda simultaneamente na Austrália ou Canadá (cuja lista de profissões em demandas é também similar à lista do Miami Herald) à escolher o Brasil como destino é a grande dificuldade (minha, pelo menos). Principalmente profissionais Europeus ou Americanos (sem elitismo), que têm o inglês como primeira ou segunda língua (e não o português).

Nessa questão idiomática, mesmo comparando-se com outras economias emergentes, tais como Índia e Africa do Sul (Os “I” e “S” do BRICS), o Brasil fica em desvantagem, já que esses países têm o inglês como (uma das) suas línguas oficiais.

Na “parte 2” desse post conto um pouco da experiência que tive com estrangeiros trabalhando no Brasil (de professores à colegas de trabalho) e algumas conversas que tive com Europeus e Sul-Americanos que moram aqui na Austrália, e que tiveram oportunidades de imigrar para o Brasil, mas preferiram a Austrália. Já na “parte 3” coloco algumas idéias do que fazer para atrair mais profissionais ao Brasil.

Older Entries