Pois é, o tempo passou rápido mesmo. Essa semana completam seis meses que a gente nos mudou pra cá! Esse primeiro semestre foi bastante intenso e pode ser divididos em basicamente duas fases na minha opinião:

A primeira foi quando a gente chegou por aqui e ainda não tinha nem casa, nem emprego, nem nada basicamente. Foi um período interessante onde era absolutamente tudo novo e a cada minuto que passava uma coisa nova era aprendida – estavamos focados em conseguir toda a nossa documentação, abrir conta em banco, conhecer a cidade, definir o bairro que queríamos morar, achar efetivamente um apartamento, conhecer novas pessoas, rever velhos amigos … e conseguir um emprego .

A segunda fase começou depois do emprego australiano arrumado. Pra mim foi bastante interessante participar dos processos de seleção locais, que em vários aspectos são bem diferentes dos brasileiros. Além disso, vivenciar um ambiente de trabalho diferente, ter que abrir minha própria empresa, entender da tributação local e discutir alguns detalhes com o contador e, principalmente, participar de um projeto do começo ao fim em um país totalmente novo foi muito importante. De qualquer forma conciliar dois empregos não foi/é das tarefas mais simples e é algo que eu não recomendo!

Ainda durante a segunda fase se deu a busca da nossa casa por aqui, as dificuldades pra alugar um imóvel, compra dos móveis, eletrodomésticos etc. Não é fácil pra quem vem de uma cidade grande do Brasil se acostumar com o ritmo muito lento que as coisas acontecem por aqui. Apesar de Sydney ser uma cidade enorme, as coisas no país acontecem de maneira muito vagarosa; tudo fecha muito cedo; tudo demora pra ser entregue; o customer care de todo tipo de serviço é muito pior que o brasileiro e na maioria das vezes tudo é muito caro. Foi uma batalha pra termos nossos móveis entregues (sofá foi entregue com 2 meses de atraso), nossos celulares habilitados numa conta pós-paga (o da Tati demorou 5 meses) e nossa internet funcionando em casa (quase 2 meses pagando sem a internet funcionar).

A segunda fase está terminando. Mês que vem se encerra meu contrato de trabalho local e decidi por não renovar, vou ficar com o meu trabalho remoto pra Stefanini/Dell somente. Também no mês de julho se encerra o curso atual de inglês da Tati. Recebi muitos “conselhos” de que talvez não fosse essa a melhor decisão, que caso eu optasse por ficar num emprego local (ao invés de um emprego remoto no Brasil) eu ganharia um salário melhor e me acostumaria mais rápido com a cultura local, idioma, etc.

Financeiramente falando é verdade, mas meu objetivo maior aqui nunca foi ganhar mais, nem ficar “rico”. Na questão de adaptação a cultura local eu acredito que existem muitos outros aspectos, além do profissional, que eu ainda preciso e quero conhecer. Além disso, já tive minha experiência profissional e já paguei muito (muito mesmo!) imposto aqui esse ano. Fora que ainda não aprendi a surfar, não sei dirigir do lado errado ainda e nem sequer vi um canguru! Tenho muita coisa fora do trabalho pra fazer aqui ainda.

Meu foco agora então será conhecer e aproveitar um pouco mais a cidade e o país (já temos algumas viagens programadas até o final do ano), quero fazer mestrado ano que vem e para isso preciso estudar inglês e tirar uma boa nota no IELTS acadêmico. Preciso tirar carteira de motorista e comprar um carro, já que simplesmente não dá pra contar com transporte público nos finais de semana por aqui. E claro, quero voltar a jogar tênis o quanto antes – existem duas academias de tênis bem legais perto de casa e esse é um dos objetivos principais da terceira fase! Espero que seja um bom segundo semestre.

Anúncios